Sê feliz o teu coração nos dias da tua juventude

Eu gosto tanto do obscuro
Procuro quem se esconde
Embaçam a gente tão fácil
Os olhos de serpente
São dois pontos de calor
Me beija, me enlaça, me caça
Me faça instrumento
Em cada canto, alimento onde houver amor
O jardim reflorescerá
E as ruas vão se abrir em cor para passar
Passarela
Canções para curar a dor e sara, cura




"Jovem, alegra-te na tua mocidade! Sê feliz o teu coração nos dias da tua juventude. Segue os caminhos que o teu coração indicar e todos os desejos dos teus olhos; saibas, contudo, que tudo quanto fizeres passará pelo julgamento de Deus"

etéreo ser

a fé fez de mim atenta aos detalhes
a porta do mundo se abriu; eu cheguei e não chorei
sim, sou vista como relíquia desde então
comuniquei meus laços através do amor
e como de costume, em silêncio
observo o movimento de cada espectador
e entendo como todas as vozes reverberam, juntas, pelo vácuo
o que é passado, de geração em geração,
como lugar em que dança, livremente, o amor
há, em cada um dos seres, a manifestação singela
de tamanha fluidez, melodia e ciranda em sincronia
(o instante fotografado em câmera lenta da coreografia mais bela)
o inenarrável que se manifesta através de um pai anônimo,
mas presente.

somos instrumentos - ressoar e eternizar não é uma escolha, mas sim um fato


@oliverpacas


(ponto ou vírgula - o que fizer mais sentido pra você.)

eu escolho a quem amar

te digo assim
que um pedacinho de mim
te nomeou como espelho da alma.
a insistente e ansiosa espera do que não vem
desmente e caçoa todas as minhas promessas de
permanecer e me manter distante.
a madrugada demora a chegar, mas quando vem
traz, nos rastros do que levantei em seu nome,
inspirações lúdicas do que nunca senti

você e eu somos como a sorte de encontrar
músicas, melodias e letras que abraçam a alma
somos também dessa exata composição
com mais ou menos desatino.