caixa postal

— eu achei seu número num lugar escondido do meu penúltimo diário. Poxa, parece até que você realmente vai ouvir o que tô dizendo. É como se o frio na barriga fosse quase real, quase tocável… o que eu te diria depois de tanto tempo? Bom… eu tô bebendo menos e voltei a treinar; não que isso talvez dure muito, mas… é que sabe como é, né… ou melhor, sabe como eu sou, né? Tenho tanta coisa pra dizer que talvez seja por isso que to falando tanta besteira, me enrolando sem muitos motivos… talvez, talvez a urgência de te dizer algo, de saber que você vai verdadeiramente me ouvir, seja maior que qualquer novidade da minha vida que eu queira contar, que te faça querer ouvir, que te deixe feliz, que te traga, de alguma maneira, orgulho… bom, queria muito também saber como você está. Queria tanto ouvir sua voz, nem sei se lembro como é sua voz, ou o que me coração vai dizer quando eu escutar sua voz de novo… talvez tudo sobre você seja inesquecível, inexplicavelmente imortal, acima do tempo, esse tão avassalador tempo… como queria parar de tremer minha voz, como queria poder… eu só te amo muito, mãe. É só isso.

espelhos

compreendo os passos do tempo
me atento a cada um dos seus feitos impensados
a noite é longa, mas há mais vinho na garrafa
e muitas taças guardadas
apenas isso já torna mais fácil suportar a indiferença
dos olhares que procuro e não encontro
mas que continuam aqui

púrpuro silêncio

meus olhos embaçados procuram espaço
a cor da sua pele brilha, ofusca, me alucina
quando cheguei, só vi você aqui
me fascino por seus traços, me apaixono por suas características
desde os laços indomáveis que compõem seus cabelos
a protuberância dos seus carnudos lábios

o desejo que minha pele sente
tropeça sensações com meu calejado coração
e mistura confusão pra dentro de mim

é você que tem

invadiu-me uma súbita vontade
de escrever pra você
palavras se enfileiram desesperadas
pra serem escolhidas
e melhor se apresentarem pra você
adjetivos, verbos, substantivos, advérbios...
uma infinidade de escolhas,
um livro inteiro só de você...

ela III

quero me esconder no calor dos seus braços
preciso do aconchego do nosso silêncio confesso
o presente de não precisar dizer nada, e você saber tudo
me sinto em casa dentro da singularidade que somos
valorizo cada parte do que construímos
sua presença é a luz que me manterá sempre firme dentro da sanidade
buscando e edificando meu propósito
sabendo que ele se soma ao seu

ela
ela II